Estudo 6 - Preparados - #Recomeço

Estudos #Recomeço

Preparados
Ef 6.15
Pastor Fabrício Sobrosa Iung


Calçai os pés com a preparação do evangelho da paz; (ARA)

E amarrem sob seus pés na preparação do Evangelho da Paz; (Tradução própria)

Há 6 meses estamos refletindo e conhecendo mais a fundo nossa batalha espiritual. Estudamos sobre a força e a armadura (que vem de Deus) e nos tornam inabaláveis, adentramos na luta cristã, diária e constante, e começamos a desbravar mais cada uma das armaduras. O texto desse estudo fala sobre a paz como armadura.

E aí começamos a nossa reflexão: Qual o maior sentimento que pode transformar a vida humana e tirar a paz? Qual a maior dificuldade que os jovens têm para ter paz? Por que é cada vez mais alarmante o número de tentativas de autoextermínio na juventude?

Estamos entrando no setembro amarelo. Nele somos convidados a meditar e refletir sobre as causas e as melhores formas de prevenir o suicídio. Segundo a OMS, esse tipo de situação é a segunda maior causa de mortes entre jovens no Brasil. Será que isso é moda que o mundo inventou e propagou através de séries como “13 Reasons Why” – uma premiada série de televisão americana que mostra quais são as razões para uma jovem se matar?

Essa série demonstra que o problema dos jovens que buscam o autoextermínio é muito mais profundo do que uma rápida análise pode sugerir. Mas uma coisa que praticamente todos os especialistas são unânimes em dizer é que o grande motivo por trás de todos os suicídios da série demonstra é a falta de paz que os jovens sofrem por conta da pressão por sucesso e ainda mostra com fidelidade a fragilidade da vida e dos pensamentos humanos quando o assunto é ter paz.

Com relação à juventude, uma das maiores causas da pressão é estar Preparado, para o Enem, para o vestibular, para um emprego. Eles nem bem tem condições de escolher seus caminhos e precisam estar prontos para escolher uma carreira promissora, uma boa faculdade, uma pessoa interessante para namorar, porém uma das únicas coisas que eles não aprendem é como estar preparado para viver, de forma consciente neste mundo coberto de dificuldade e maldade.

O mundo investe inumeráveis quantias de esforço e dinheiro na preparação deles, e por mais que estejamos vendo uma geração de ótimos profissionais e estudantes acima da média, os jovens hoje estão despreparados para a pior batalha de todas: aprender como obter paz.

Essa situação é ainda mais preocupante diante do número alarmante de jovens que estão no mundo das drogas, ou estão em algum relacionamento, pensando que este tipo de coisa pode lhes trazer algo que ao menos se pareça com a paz que eles tanto buscam. Mais um cigarro de maconha, uma carreira de cocaína, uma pedra de craque, um copo de cerveja, ou mais uma noite de sexo sem limite, sempre aparecem como um convite a paz, mas na verdade são as armas mais poderosas e silenciosas que o homem tem a sua disposição para se autodestruir.

Questão para a reflexão: Levando em conta o último parágrafo, na sua opinião, os caminhos que muitos jovens hoje reconhecem como verdadeira liberdade que dá paz, realmente são capazes de apaziguar o seu coração?

Augusto Cury afirmou que a juventude atual se perdeu em algum momento, ela foi preparada e programada para viver calada, sem garra e sem sonhos, amando o sistema social criado pelos adultos, que simplesmente transforma os jovens em consumidores e sufoca suas identidades e seus projetos. Essa geração foi preparada para receber tudo de forma automática e pronta, e por conta disso não sabe elaborar sua vida para conquistar as suas próprias batalhas. E em muitas vezes isso não é culpa dos jovens, mas é o reflexo fiel de como os pais estão colocando tanto foco na vida acadêmica e trabalhista dos jovens, e assim não estão os preparando para lutar os seus próprios conflitos e nem ensinando onde buscar paz.

Questão para a reflexão: Até que ponto um jovem pode se isentar de estar preparado? Augusto Cury está certo ao colocar um peso maior sob os ombros dos pais? Como o jovem pode se preparar para ser um protagonista em sua vida?

Estar preparado é o grande tema do Apóstolo Paulo no capítulo 6 da carta aos Efésios. Ele, inspirado pelo Espírito Santo, comparou a vida dos cristãos como um campo de batalha, no qual Deus quer dar todas as armas necessárias para que acompanhados e capitaneados por ele possamos lutar nessa batalha.

Ao falar sobre preparação, o apóstolo diz que todos os cristãos são levados a batalha tendo equipamentos de proteção e armas para o combate e no texto de hoje, ele diz que todos devem estar sempre pronto para amarrar seus pés na preparação do Evangelho da Paz. Assim, ele está pregando que todos os cristãos devem estar preparados para viver em Paz.

Contextualizando o escrito: Ao citar o calçado do guerreiro, Paulo estava colocando em jogo a prontidão que todos devem ter para buscar viver uma vida a base do Evangelho que gera paz.

Os calçados utilizados nos dias de hoje tem uma função somente estética, na maioria das vezes eles são comprados apenas para demonstrar algum status, ou uma condição financeira. Para um guerreiro romano, eles eram um item de extrema necessidade, nenhum deles estava realmente preparado se não contasse com um belo par de sandálias que garantisse proteção, estabilidade e segurança.

Em um mundo em que imperam os automóveis e os meios de transporte rápidos esse tipo de artigo não é algo importante, mas em um ambiente hostil onde soldados precisavam andar mais de 30 kms por dia levando sobre si o peso de mais de 27 kg de equipamentos, ter um sapato confiável era fundamental, pois ele garantiria que mesmo depois de longas jornadas os guerreiros estariam preparados para lidar com todas as situações que a vida lhes apresentaria.

Desenvolvimento: Paulo diz que o melhor calçado que um cristão pode utilizar é o Evangelho que distribui a paz. Assim, a melhor forma de se preparar para viver neste mundo é aprender a viver tendo a real capacidade de encarar todas as ocasiões que o mundo propõe em paz, não buscando colocar em si e nas situações adversas a paz, mas lembrando que o seu habitat é o Evangelho da boa notícia de que Jesus Cristo morreu na cruz do Calvário para salvar a todos os homens das consequências de seus delitos e pecados.

No final da tarde do domingo da Páscoa, quando o Senhor se apresentou ressurreto diante de seus discípulos ele os saudou dizendo “a paz esteja com vocês”, Ele se apresentou como o doador e a fonte da paz. O seu sacrifício foi aceito pelo Pai e agora o homem pode colocar como fundamento de sua vida a paz com Deus e é só por conta dessa paz que o cristão está preparado para entrar na Batalha da fé.

O mundo vive trazendo para o homem uma série de receitas de paz, todas elas envolvem sua ação como primordial nessa luta. Esse é um remédio falso, que promete resultados milagrosos, mas ao invés disso faz com que o homem fique cativo a suas escolhas e as circunstâncias que delas provém. A graça de Cristo por sua vez nos faz buscar na sua morte e ressurreição o motivo da nossa paz.

Paz em meio a tempestade: O apóstolo Paulo conheceu essa graça no caminho de Damasco, e a partir do momento em que ele esteve debaixo da graça de Deus sua vida nunca mais foi a mesma, ele pode passar por uma enormidade de provações e dificuldades, mas foi quando ele esteve preso e escreveu a carta aos Filipenses que ele testemunhou de forma concreta como ele sabia descansar na presença de Deus e ser transformado pela paz. Ele diz que não foge das dificuldades, mas aprendeu a viver calçado no Evangelho sabendo que a paz de Deus encobre qualquer pensamento humano (Fp 4.7).

Esse belo Testemunho de Paulo nos mostra o valor do Evangelho na vida daquele que crê, todo aquele que tem seus pés bem firmados na graça e no amor de Deus pode viver em paz, sabendo que as circunstâncias e os problemas são passageiros, mas a companhia de Deus é constante e por isso é possível descansar.

Isso nos ensina que os desafios continuarão aí. Os Jovens terão que continuar fazendo suas escolhas e o Enem, o vestibular, ou a carreira continuarão sendo como tempestades, mas Deus promete que em meio às dificuldades ele nos conduzirá, e com certeza dará forças para passar por todo o tipo de prova e dificuldade, não garantindo vitória, mas sua presença graciosa, e assim poderemos enfrentar tudo, por meio daquele que nos fortalece.

Justificados pela fé temos paz com Deus (Rm 5.1). Essa paz agora poderá extrapolar o nosso ser e nos ensinar a viver em paz também com as outras criaturas, e até mesmo com os nossos próprios monstros e medos. Na prática, Deus nos libertou para que pudéssemos viver em paz, e essa paz agora pode nos tranquilizar e ser dividida com todos os que estão à nossa volta.

Um determinado pregador disse certa vez que a essência mais profunda do Evangelho é a paz, não esse sentimento morno que foge das batalhas, mas o sentimento real de que a partir do sacrifício de Jesus Cristo recebemos a boa notícia da salvação e ela é a nossa verdadeira paz. Por isso é que a base, o fundamento e a estrutura de nossa vida, não está naquilo que nós vemos, mas está na graça de Deus, pois ela nos garante vida, e vida em abundância.


Baixe o estudo completo em word

Faça sua inscrição para o #Recomeço

Seja voluntário no #Recomeço

Gostou? Compartilhe

Talvez você goste também

Fale com a gente

Olá! Envie sua mensagem. Ficaremos felizes em conversar com você.